silvio-santos-com-o-elenco-de-casa-dos-artistas-2001-1477614497607_615x300

Primeiro reality show de confinamento da TV brasileira, “Casa dos Artistas” comemora 15 anos de sua estreia nesta sexta (28)

Em 2001, Silvio Santos lançou o programa na surdina e surpreendeu o público ao reunir 12 famosos em uma casa. A repercussão e a pressão da Globo, que acusou o SBT de plágio do “BBB”, impulsionaram a audiência da atração, a maior da história da emissora.

A primeira “Casa” durou sete semanas e foi gravada em um imóvel colado à mansão de Silvio Santos no Morumbi, bairro nobre de São Paulo, com 33 câmeras e 35 microfones. Os competidores descobriram que foram vizinhos do apresentador somente após o programa. Aliás, eles nem desconfiaram que ficariam presos em uma residência.

Polêmica: Lulu Santos ignora pupila no The Voice que errou a letra e choca a Internet.

“Só falaram que não era novela. Tinha que trabalhar e topei, assinei um contrato de confidencialidade. Foi secreto mesmo”, afirma Taiguara Nazareth, quinto eliminado. “Tivemos que ir de olhos vendados do SBT até o Morumbi para já psicologicamente ir mexendo com a gente”, recorda Patrícia Coelho, que ficou em quarto lugar.

O projeto era desconhecido até dentro do SBT. Apenas alguns executivos e o diretor do programa, Rodrigo Carelli, sabiam dos planos de Silvio. Carelli, então com 33 anos, foi um dos profissionais da MTV chamados para trabalhar na “Casa”: “Era tão secreto que eu entrevistava pessoas para a equipe na praça de alimentação de um shopping”.

Celular sem espaço? Aprenda a apagar conversas e arquivos do WhatsApp e liberar espaço no iOS ou Android

Elenco foi formado às pressas
O SBT fechou o elenco da primeira “Casa” dois dias antes da estreia do programa. As negociações duraram menos de três semanas, tempo recorde (“BBB” e “A Fazenda”, por exemplo, levam meses), porém um participante recuou na antevéspera e Carelli teve de chamar uma ex-colega de MTV, a atriz Bárbara Paz, que venceu o reality.

“Nunca imaginei que a casa fosse um estúdio, essa coisa de reality não existia no Brasil. Fui realmente a cobaia, porque nem assistia muita televisão, não tinha tempo”, lembra Bárbara.

Vice-campeão, Supla havia retornado ao Brasil após sete anos para ajudar na campanha de sua mãe, Marta Suplicy, à prefeitura de São Paulo. Na “Casa”, ameaçou sair do programa, namorou Bárbara Paz e viu sua carreira musical ressurgir: “Eu ia voltar para os Estados Unidos, [pensava] ‘o que estou fazendo aqui?’. Ainda bem que fiquei. Foi o meu renascimento no Brasil”.
Ao longo do programa, outros participantes deram dor de cabeça para a direção. Leandro Lehart desistiu após nove dias por causa de seu filho recém-nascido. Alexandre Frota, um dos competidores mais populares e controversos, chegou a pular o muro da mansão, porém foi convencido por Silvio a voltar.
Foi a única interferência do patrão nas regras do programa.”Frota queria que todo mundo saísse, como revolta. Ele acabou saindo e depois voltando, e criamos aquele momento em que ele tinha que pedir para os outros deixarem ele ficar.
Ele, com a lábia que tem, convenceu todos”, conta Carelli. Para ele, Frota não era o mais rebelde: “Mateus Carrieri era o mais revoltado, achava que estava em uma pegadinha gigante”.Segundo eliminado, Marco Mastronelli foi considerado “chato” por discutir com os participantes. De acordo com o ator, que mora nos Estados Unidos há 24 anos, foi uma estratégia para sair do programa sem desistir: “Eu não poderia ficar mais do que duas semanas, senão perderia minha residência nos Estados Unidos. Planejei uma briga com as meninas, fiz um drama para sair com mais ibope”.

Polêmica: O que acontece com essas pernas? Descubra o novo mistério da WEB.

 

 

Silvio Santos chorou na final
“Casa dos Artistas” liderou a audiência desde a estreia, que começou pré-gravada para dar tempo de os competidores irem do SBT, em Osasco, ao Morumbi. “Lembro de ir ao camarim e falar: ‘Silvio, batemos o Fantástico’. Ele ficou muito feliz e impressionado. No segundo bloco, Silvio estava mais radiante”, revela Carelli.

A Globo acusou o SBT de ter plagiado “Big Brother”, reality da produtora Endemol, que chegou a negociar com Silvio mas fechou acordo com a emissora carioca para estrear em janeiro de 2002. As duas redes brigaram publicamente e a Justiça tirou “Casa dos Artistas” do ar por um dia, mas o programa voltou com mais sucesso e derrotou também a novela “O Clone”.

A final, em que Bárbara levou o prêmio de R$ 300 mil, teve média de 47 pontos e pico de 55 no Ibope da Grande São Paulo, maior audiência do SBT até hoje. “Silvio Santos ficou muito emocionado, chegamos a vê-lo chorar de emoção. Saiu lágrimas dos olhos dele”, relembra Patrícia Coelho.

“Ele falou: ‘O que aconteceu hoje nunca mais vai acontecer’. Sensação dele de que aquilo era um ápice. O choro da Bárbara foi muito impactante, tanto que ele se encantou por ela, chamou para ser protagonista de duas novelas. Ficou muito impressionado. Ele falava: ‘Isso é muito mais emocionante do que uma novela'”, recorda o diretor.

Sócio de Malvino Salvador é eliminado do Masterchef profissionais

“Quando acabou, ele chamou a gente, agradeceu, foi muito fofo. Para a gente foi demais receber tantos elogios de um ícone da TV. Comemoramos, brindamos o sucesso e ele falou que o SBT era outro depois da ‘Casa'”, conta Mari Alexandre.

O SBT fez mais três edições da “Casa dos Artistas”, desta vez na sede da emissora (a casa original existe até hoje). Rafael Vannucci, filho da cantora Vanusa, levou a segunda, em 2002. No mesmo ano, a terceira “Casa”, com famosos e seus fãs, foi vencida por Sérgio Paiva, admirador de Solange Frazão. Em 2004, Carol Hubner ganhou a “Casa dos Artistas 4: Protagonistas de Novela”.

Polêmica: Lulu Santos ignora pupila no The Voice que errou a letra e choca a Internet.

Matérias Relacionadas

824 Views